Empregos estranhos da história

Ladrão de corpos: Na Grã-Bretanha, o crime de roubar um corpo era apenas uma contravenção e por isso era punido com uma pequena multa apenas. Isto levou a uma grande indústria de roubo de corpos a fim de fornecer cadáveres frescos para escolas de medicina da Europa.  O papel do ladrão de corpos era desenterra-los e vende-los ainda frescos. Porem 2 irlandeses  Burke e Hare  foram longe demais assassinando 17 pessoas em Edimburgo para vender seus corpos. Sendo assim em 1832 uma lei foi criada dizendo que corpos não reclamados e sem identificação ou doados por parentes, poderiam ser adotados aos estudos de anatomia.

Noivo da Banqueta: Era um servo da monarquia inglesa (sim ele tinha um cargo real), infelizmente sua função não era tão nobre assim. Consistia-se em limpar o ânus do monarca após a defecação. A posição era um especialmente valorizada, pois permitia um acesso sem obstáculos à atenção do rei. Apesar de ser o limpador oficial da bunda do rei, o Noivo da Banqueta teve uma posição social muito elevada.

O Garoto do Chicote:  Meados de 1600 e 1700, era um jovem rapaz a qual era atribuído zelar do príncipe e puni-lo quando o príncipe se comportava mal ou ficava  para trás em sua escolaridade. E como puni-los? Fácil, os príncipes tinham seus amigos de infância ao qual cresciam juntos, O garoto do chicote punia os amigos e nãos os príncipes, pois como eram considerados escolhidos por Deus nem os tutores podiam puni-los. Sendo assim ao punir seus melhores amigos os afetavam psicologicamente os “endireitando”.

Knocker-Up (batedor em sinal de bater na porta): era uma profissão na Inglaterra e Irlanda, que durou até a Revolução Industrial, antes os despertadores não eram acessíveis ou de confiança. O trabalho de um Knocker-Up era despertar as pessoas, para que pudessem começar a trabalhar a tempo. O Knocker-Up muitas vezes usado uma vara de bambu longa e luz para alcançar janelas em andares mais altos. Em troca de alguns tostões por semana para este trabalho. Não deixava uma janela até que se assegura-se de que o cliente foi acordado. Isso tudo leva a uma pergunta óbvia: quem acordava ele?

Agricultor Gong : era um termo que entrou na Inglaterra para descrever alguém que removia excrementos humanos de latrinas. Agricultores Gong só foram autorizados a trabalhar à noite, portanto, eram também conhecidos como nightmen. Os resíduos recolhidos eram levados para fora do limite da ou para lixões oficiais para eliminação, de onde ele podia ser espalhado como adubo nos campos ou jardins de mercado. Como os sistemas de esgoto mais modernos cada vez mais difundidos na Inglaterra do século 19, cada vez menos as fossas precisavam ser escavadas. O trabalho de esvaziamento fossas hoje é geralmente realizado de forma mecânica usando sucção, máquinas.

Palhaços de Funerais: Um palhaço de funeral tinha a obrigação principal de ir a funerais vestidos como a pessoa morta. Além disso, ele também tinha que imitar os seus gestos e expressões. Durante o processo de funeral, o palhaço andava ao redor do caixão junto com outros palhaços, a fim de fazer rir os parentes entristecidos. Na Roma antiga as pessoas pensavam que este tipo de ritual poderia confortar os espíritos dos mortos e trazer alegria para a vida. Havia também palhaços famosos e muito valiosos que tiveram a oportunidade de zombar dos imperadores em seu funeral. Os Palhaços de Funerais foram muito bem pagos, fontes históricas, dizendo que eles ganham ainda melhor do que gladiadores.

Planejador Orgias: Hoje temos um planejador do casamento, organizador de eventos, mas nos velhos tempos as pessoas tinham as orgias como grandes festas que tinham de ser organizadas de forma impecável. Para isso, eles precisavam de um planejador de orgia que tinha que cuidar da comida, mulheres, música e malabaristas. O mestre de orgias tinha que fazer o seu melhor para encontrar cortesãs que além de lindas, tinham de ser saudáveis, sem doenças venéreas. As comidas e bebidas tinham que ser a expressão perfeita de luxo, enquanto os malabaristas tinham que estar em sua melhor forma e não estragar suas representações. Ser um planejador de orgia não era o melhor emprego do mundo quando nem todo mundo gostava de você. O planejador de orgia mais popular era Gaius Petronius que escreveu um livro satírico sobre deboche romano chamado “Satyricon”.

!cid_7C6C1434B8D84944AEE24EC981F7E24E@ALZIRABobo da corte  – Todos já ouvimos falar e vimos em filmes os bobos da corte, que tinham a permissão de tirar sarro de todos, até do rei, se ele achasse engraçado, é claro. Hoje em dia o emprego não existe mais, e sumiu da maior parte dos reinos há muitos séculos. Curiosamente, até 1999, o reino de Tonga, na Polinésia, tinha um bobo da corte oficial. O mais bizarro é que o bobo, que era conselheiro financeiro do governo, se envolveu em um escândalo político.

!cid_80DE173AEB7243EC8F51E397EFA2309C@ALZIRAToshers e Mudlarks  – Esse trabalho sujo ficou bastante popular na época vitoriana em Londres, na Inglaterra. Pessoas conhecidas como “toshers” procuravam nos esgotos da cidade por jóias e pequenos objetos que poderiam vender. Na época, era comum ver famílias inteiras procurando por pequenas riquezas nos esgotos. Obviamente, essas pessoas não eram muito bem quistas pelos vizinhos. afinal, o cheirinho de esgoto não é dos melhores. Já os “mudlarks” faziam um trabalho semelhante, só que nas margens do rio Tâmisa, que corta a cidade de Londres. Durante a manhã, eles entravam pelos canais do rio e procuravam, entre esgoto não processado e carcaças de animais, por pequenos tesouros.

!cid_BBFF7B767E36440ABFCD3423E4EFE8F8@ALZIRAMédico de sapos – Os médicos de sapos eram uma espécie de feiticeiros de uma tradição ligada à medicina tradicional que existia na Inglaterra até o fim do século XIX. O maior trabalho destes médicos era para curar a escrófula, uma doença de pele ligada à tuberculose. O tratamento era feito ao colocar um sapo vivo ou uma perna de sapo dentro de um saco de tecido, que era deixado sobre o pescoço do paciente. Para realizar este trabalho, o médico precisava de uma enorme criação de sapos ou uma boa habilidade para encontrá-los.

!cid_6503B8EBA07A4DF79BC02A7F59BE956B@ALZIRAChicoteador de cachorros – Este trabalho era desempenhado por algum empregado da Igreja, com a missão de remover cachorros indesejados da propriedade da Igreja enquanto as missas eram realizadas. Durante os séculos XVII até XIX, não era incomum que os cães de estimação acompanhassem seus donos à igreja. Caso algum cachorro incomodasse a solenidade, o chicoteador tirava o animal de dentro da igreja, para que a missa pudesse continuar.

!cid_DACAEB7A23DD42CB9823A91916E720BC@ALZIRAPisoteador – Pisar em uma pilha de roupas de lã não parece ser um emprego muito bom, não é mesmo? E não era mesmo. A técnica era utilizada para eliminar óleos, sujeiras e outras impurezas da lã, além de deixá-la mais grossa. Na antiguidade, os trabalhadores que faziam isso geralmente eram trabalho escravo, como na Roma antiga. Os escravos ficavam com urina e roupas até a altura dos calcanhares, já que a urina era uma boa fonte de sais de amônia, importantes para a limpeza do tecido. Na época medieval, novas substâncias, que não precisavam de urina, passaram a ser utilizadas no processo, deixando o trabalho um pouco mais digno.


Sobre reitigre

Tigre, tigre, brilho incandescente dentro das florestas à noite Que imortais mãos ou olhos Poderiam moldar tão temível simetria? Em que distante profundezas ou céus Queimam o fogo dos teus olhos? Em que asas veio essa chama? Que mãos ousam tocar nesse fogo? E qual ombro e qual arte? Poderia mudar as fibras do teu coração? E quando teu coração começou a bater Qual horrível mão teria forjado seus pavorosos pés? Qual martelo? Qual corrente? Em que fornalha estava teu cérebro? Que bigorna? Que terrível abraço Ousou conter teu horrível terror? E quando as estrelas desferiram seus raios, e inundaram os céus com as lágrimas delas, Ele sorriu por Seu trabalho ver? Aquele que criou o cordeiro também Te fez? Tigre, tigre, brilho incandescente dentro das florestas à noite Que imortais mãos ou olhos Ousaram moldar tão temível simetria?
Esse post foi publicado em História e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s